OS BANDHAS – AS CONTRAÇÕES BENÉFICAS

Artigos

Os bandhas são contrações que fazemos no corpo, por meio do controle da musculatura, em áreas de plexos nervosos, glândulas e órgãos, localizados em regiões correspondentes aos chakras. Portanto, atuam tanto no físico como nas correntes de energia vital do corpo sutil.

Bandha em sânscrito significa fixação, vínculo, trava (que se coloca para prender a força vital em certas partes do corpo).

Os bandhas são um subgrupo dos Mudras, geralmente praticados como complemento essencial dos pranayamas. No entanto, alguns são praticados de forma independente, com efeitos específicos, ou juntamente com um asana, intensificando um determinado efeito.

O propósito dos bandhas é conectar a corrente de energia vital numa determinada área corporal, num chakra, ou, aumentar a circulação da energia de um chakra para o outro, por meio dos travamentos que se impõe ao corpo.

No plano físico, atuam no Sistema Nervoso Central e Autônomo. Auxiliam o retorno do sangue venoso da cabeça e do pescoço, já que expandem o tórax. Evita assim, o acúmulo do CO2 no aparelho respiratório, promovendo uma ampliação da retenção de pulmões cheios, fase em que tanto o oxigênio como a energia vital são absorvidos e assimilados.

O texto clássico Hatha Yoga Pradipika, III, 73-74, sugere que o efeito da aplicação dos bandhas associados aos pranayamas, é regular o funcionamento de Pingala e Ida – canais por onde circulam as energias solar e lunar, ativa e passiva, yang e yin – ativando a ascensão dessas forças pelo nadi Sushumna, o canal principal. A energia ao subir, abastece e desperta todos os chakras, que por sua vez, ativam novos estados de consciência, mais expandidos e elevados, que nos unificam com o Cosmos, como é o objetivo último do Yoga.

Há quatro tipos de contrações usadas habitualmente numa prática de Yoga: a chave de língua – JIHVA BANDHA, a chave de queixo – JALANDHARA BANDHA, a contração abdominal – UDDIYANA BANDHA e a contração anal – MULA BANDHA. Quando numa postura ou exercício respiratório do Yoga, usa-se a contração anal, abdominal e a chave de queixo associadas, chama-se BANDHA TRAYA – contração tríplice.

Portanto os efeitos gerais dos bandhas estão relacionados ao fato que eles produzem forte ativação energética e, portanto psíquica. Ampliam a força interna do praticante, melhorando sua disciplina para trilhar o caminho do Yoga, vencendo os obstáculos comuns nessa prática: preguiça, sono, e ignorância ou esquecimento da sua natureza espiritual e transcendente.

Conservam a energia vital ampliada no organismo, que passa a se utilizar desse potencial de vida maior.

Mas, há também, alguns cuidados a serem tomados, especialmente para os hipertensos, que devem evitar toda retenção de ar exagerada, e especialmente a fase de pulmões vazios, que deve ser evitada. Os cardíacos e as gestantes devem evitar o Uddiyana Bandha, ou fazê-lo de modo suave. Como as contrações são técnicas que acentuam os efeitos das posturas e das respirações do Yoga, devem ser introduzidas com cuidado e na medida do bem estar de cada praticante. Nesse sentido, a orientação de um professor de Yoga qualificado é imprescindível para um adequado aproveitamento desta poderosa ferramenta do Hatha Yoga.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA:

 

Blay, A. Fundamentos e Técnicas do Hatha Yoga, São Paulo, Edições Loyola, 1986.

Gharote, M.L. Técnicas de Yoga. Guarulhos, Phorte Editora, 2000.

Gharote, M.L. Yoga Aplicada – da teoria à prática. Londrina, Phorte Editora, 1996.

Hermógenes, J. Autoperfeição com o Hatha Yoga. Rio de Janeiro, Ed. Record, 13a. edição.

Miranda, C. Hatha Yoga – a ciência da saúde perfeita. Rio de Janeiro, Ed. Freitas Bastos, 1962.

Radha, S.S. Hatha Yoga – the hildden language. Mumbai – Índia, Jaico Publishg House, 1996.

Ramm-Bonwitt, J. Mudras – as mãos como símbolo do cosmos. São Paulo, Ed. Pensamento, 1995.

Yogendra, S. Hatha Yoga Pradipika – luz sobre o Hatha Yoga. Florianópolis, Ed. Dharma, 2002.

[wpdm_file id=62]